Reflexão

Após a (re)leitura deste documento, reforçaríamos a importância das duas palavras selecionadas inicialmente como caraterizadoras de um  percurso individual – unidade e diversidade. Contudo, a diversificação de papéis levou-nos a compreender a existência de algumas situações de conflitualidade, a nível de competências e necessidades, entre as funções docentes e as administrativas, o que dificulta a conciliação de ambas. A título de exemplo, aponto alguns obstáculos, nomeadamente a inadequação de alguns equipamentos (ou mesmo a sua inexistência), assim como a presença de barreiras administrativas, nem sempre fáceis de transpor para concretizar a ação a desenvolver.

No entanto, há a salientar que o desempenho dos referidos papéis nos possibilitou, por um lado, vivenciar, com colegas e alunos, a essência de toda uma relação pedagógica – a afetividade e a intercompreensão. Por outro lado, mostrou a importância de trabalhar em parceria com outros colegas, outras instituições, outros espaços de aprendizagem, onde o “aprender a aprender” implica que ao fazer se sucede sempre o refazer, isto é, uma busca permanente. E por último, motivou-nos para outros projetos de investigação, (re)construindo cenários de integração das TIC na formação inicial de professores como um contínuo de experiências capazes de promoverem outros ambientes, suportes e ferramentas, tão ricos em conteúdos como em contextos.

A aprovação do Curso em Educação e Comunicação Multimédia e as reformulações que se anunciam, tendo em conta a Declaração de Bolonha, apresentam certamente ocasiões para, de forma integrada e coerente, conciliar o esforço, que a gestão e a organização institucional implicam, com o nosso próprio posicionamento face ao progresso tecnológico e científico, bem assim como com a necessidade de partilha de saberes e de intercompreensão.