Introdução

A organização de um curriculum representa uma oportunidade de balanço de um percurso, permitindo centrá-lo na autoformação feita. Partindo desta premissa, procurámos identificar as palavras-chave que poderiam servir de título ao “friso cronológico” assim constituído. Daí que unidade, diversidade, intervenção, afetividade e intercompreensão sejam os vocábulos que nos parecem resumir as atividades desenvolvidas. Assim, vejamos. Houve

– unidade, em relação a

  • instituições em que nos inserimos;
  • núcleo onde desempenhamos  funções;
  • vertentes pedagógica e científica da nossa atividade docente;

– diversidade, em relação a

  • espaços de intervenção: nacional e internacional;
  • papéis diversificados em instâncias várias de desempenho;
  • atividade docente;
  • participação em órgãos da Escola;
  • dispositivos usados em experiências de investigação;
  • suportes: papel, outros espaços de comunicação (síncronos, assíncronos e híbridos).

Desenvolvendo a reflexão em torno do eixo UNIDADE, situamo-nos numa área científica específica: o Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia e o Doutoramento em Comunicação Educacional, ambos efetuados na Universidade Aberta. Também nesta área, terminamos um pós-doutoramento, na Universidade de Aveiro, com bolsa da FCT (SFRH/BPD/44838/2008).

Nesta área, desenvolvemos, ainda, projetos de investigação, conducentes a algumas comunicações, bem como a artigos com implicações na atividade letiva. Também a atividade docente se desenvolveu, prioritariamente, no âmbito da Tecnologia Educativa.

A UNIDADE de percurso tornou possível a concretização do projeto de Doutoramento, sem que tivéssemos necessidade de beneficiar de qualquer redução letiva. E como os projetos de investigação-ação problematizaram questões que emergiram da prática pedagógica, vieram a implicar os nossos próprios estudantes e outros membros da equipa de investigação. Assim, se articulou investigação e formação, rentabilizando meios e recursos, para além de demonstrar a sua indissociabilidade.

Em relação à DIVERSIDADE, a leitura distanciada do “friso cronológico” tornou evidente a multiplicidade de espaços em que nos temos situado

– espaços nacionais, internacionais e virtuais; projetos, colóquios, aulas, encontros, fóruns, videoconferências, reuniões internacionais;

– espaços institucionais: salas de aula, Conselho Diretivo, Conselho Científico, Conselho Pedagógico, Assembleia Geral do Instituto Politécnico de Santarém (IPS).

“Os diversos espaços” implicaram o assumir de uma diversidade de funções

– docente;

– gestora académica, coordenadora de curso em processo de autoavaliação;

– coordenadora de equipas de trabalho;

– proponente do 1º e de dois 2º Ciclos – Curso de  Educação e Comunicação Multimédia(ECM) e do Curso de Ensino da Informática para o 3º Ciclo e Ensino Secundário.

– relatora de documentos;

– membro de júris de defesa de monografias;

– investigadora associada do Centre d’Études en Didactique Comparée des Langues et des Cultures, do Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores (CIDTFF) da Universidade de Aveiro e do Centro de Estudos e Formação Avançada em Gestão e Economia (CEFAGE) da Universidade de Évora;

– diretora do Centro de Tecnologias Educativas da Universidade de Évora (CTedu);

– Investigadora Principal Convidada a 30%, em regime de acumulação no IIFA_CEFAGE da Universidade de Évora;

– participante em vários projetos de investigação;

– membro convidado de redação editorial de Simpósios e  Revista Internacional;

– bolseira de Pós-Doutoramento (Fundação da Ciência e Tecnologia – FCT);

– laureada em Prémios Nacionais e Internacionais;

– executora de registo de Patentes;

– convidada pela Comissão Europeia para particiar em reunião de trabalho (Knowledge Alliance_HIE and Businesses);

– participante no Programa de Aprendizagem ao longo da Vida com uma Bolsa de Formação Contínua;

– revisora de paper’s em revistas e congressos nacionais e internacionais.